Cintas de poliéster ou cabos de aço?

Levantamento de tubos com cintas de elevação de carga de poliéster

Especialistas no tema, nossos técnicos apontam todas as diferenças entre os dois tipos de produtos e mostram as principais vantagens do uso das cintas.

Cada vez mais imprescindíveis em processos de movimentação, amarração e elevação, as cintas vêm ocupando um espaço que antes era reservado aos laços de aço (ou cabos de aço), substituindo-os com vantagem em 80% dos casos. Todos os segmentos de indústria e serviços que dependem de processos de logística – principalmente o setor portuário, mecânico, o transporte rodoviário ou ferroviário e a construção civil – utilizam as cintas para movimentar cargas. Mas qual a diferença de usar laços de cabos de aço ou cintas de fibras têxteis? O gerente da Qualidade, André Luís Lopes, e o vendedor Carlos Corradini, da Tecnotextil, respondem às principais dúvidas sobre o assunto.

Levantamento de tubos com cintas de elevação de carga da LevtecCintas Levtec® dão praticidade e segurança às operaçãos.

Quais as principais vantagens do uso das cintas?
Entre as principais vantagens estão a praticidade, ergonomia, durabilidade e o fato de não danificarem produtos durante o manuseio. No caso das cintas Levtec®, somam-se as vantagens de um produto que proporciona qualidade e segurança aos clientes, por meio de uma completa linha de produtos e serviços. Um exemplo da não agressão das cintas às peças movimentadas é a recomendação no manuseio de peças usinadas, onde as superfícies não podem ser danificadas. Outro exemplo são peças já acabadas, como aquelas que são pintadas. Outro fator positivo é que, enquanto é preciso manter uma lubrificação no cabo de aço (custo adicional), onde podem se acumular sujeiras abrasivas, as cintas são laváveis, mantendo-se limpas para um manuseio sem agressões (ao homem e ao produto).

E as vantagens dos cabos de aço? Em que casos o uso deste produto é mais recomendado?
As cintas têm capacidade de movimentar mais de uma centena de toneladas. Somente em casos bem específicos é que as cintas não substituem os laços de cabos de aço. Um exemplo é o caso de movimentação em ambientes agressivos, como mineradoras e aciarias, já que o aço é um material que resiste a altas temperaturas de contato. Destaca-se contudo, que as cintas em poliéster suportam temperaturas ambiente de até 100ºC.

No caso do trabalhador que manuseia uma carga, o que é mais recomendado para sua segurança: cinta ou cabo de aço?
É importante pensar, primeiramente, na segurança e conforto de pessoas envolvidas em uma operação. Por isso, a vantagem do uso das cintas deve-se principalmente à segurança proporcionada ao usuário. De acordo com a portaria 3214/78 do MTE – NR 17, não se pode exigir e nem admitir o transporte manual de cargas por um trabalhador cujo peso seja suscetível de comprometer sua saúde ou sua segurança. O manuseio de cintas têxteis, ao invés de laços de cabos de aço, torna-se facilitado e bem menos fatigante. Outro ponto importante é o fato de que, enquanto o cabo de aço implica em flexibilidade mínima limitada em 8 a 10 x o diâmetro do cabo, com a cinta têxtil não há limite mínimo, podendo ser totalmente flexionada ou torcida no
manuseio, sem risco à cinta.

Barco com mais de cem toneladas movimentado com Levtec.Barco com mais de cem toneladas movimentado com Levtec.

Quais produtos são mais susceptíveis a acidentes? Que tipos de acidentes são mais comuns?
Com relação à Segurança do Trabalho, o registro disponível de acidentes demonstra que acidentes com cabos/laços de aço em 2005 chegaram a 12.600, segundo a CIMAF – maior produtora de cabos de aço da América Latina. Já com as cintas têxteis produzidas pela Levtec® não houve registro de acidente. Os possíveis acidentes de trabalho ocorridos com o manuseio de laços de aço são a perfuração ou corte em mãos ou outras partes do corpo, a partir de pontas (arames) difíceis de visualização durante o trabalho com laços usados (impregnados de graxa, óleo, sujeira, ferrugem etc), mesmo com uso de EPI (luvas, perneiras etc.). Há possibilidade de esmagamento em dedos, mãos ou outras partes do corpo (a partir de queda sobre) no uso de laços de maiores capacidades (Ex.: Laço 66mm x 15m para 50t => 455kg). As cintas levam enorme vantagem em termos ergonômicos (Ex.: Cinta Tecno 127mm x 15m para 50t => 135kg).

E com relação a acidente patrimonial? Qual dos dois produtos é mais indicado para se evitar este problema?
As cintas não provocam danos de amassamento, arranhões etc., diferentemente dos cabos de aço (mesmo com o uso correto pelo operador). Além disso, na utilização de cintas há o risco “zero” de faísca, nos trabalhos em espaço confinado e atmosferas com risco “controlado” de explosividade.

Cintas levtec em uma usina de açucarAs cintas estão cada vez mais presentes nas usinas de açúcar.

Inspeção: em caso de cintas ou de cabos, onde ela é mais vantajosa?
A inspeção completa de laços de cabos de aço (conforme NBR 13543) não deve ultrapassar seis meses, inclusive para laços de pouco uso. Se utilizado freqüentemente, o intervalo deve ser menor. Há necessidade de inspeção instrumental, tornando-se pouco mais complexa e com uso obrigatório de EPI para as mãos (risco de corte ou perfuração). No caso de possíveis desvios no manuseio, o cabo pode ficar condenado, pois a região ficará “desequilibrada”. No caso das cintas têxteis, a inspeção preventiva é fundamental, porém não há freqüência definida (depende da periodicidade de uso). A inspeção é facilitada e não requer uso de EPI para as mãos e instrumentação de medição. A verificação do desgaste do produto é um exemplo típico de inspeção “visual”.

Qual dos produtos oferece um melhor custo benefício em relação ao material movimentado?
É preciso levar em conta o custo do material movimentado. Por exemplo: o baixo custo e a não previsão em legislação específica permite incluir as cintas em poliéster no custo de transporte e embalagem tipo one way.

Apontem as diferenças entre os produtos com relação à estocagem.
Com relação à estocagem, os laços de cabos de aço necessitam de maior espaço para acondicionamento e cuidados contra corrosão (que pode provocar rompimento de arames, aumento da rugosidade e perda de lubrificação e flexibilidade). Se o espaço for inadequado, pode ocorrer involuntariamente dobra severa, amassamento e colapso da alma, influindo na capacidade. Já as cintas têxteis requerem espaço mínimo e não oferecem risco de corrosão.

E com relação à durabilidade dos dois produtos?
No quesito durabilidade, as cintas também saem à frente. Embora no caso dos dois produtos não haja tempo pré-determinado de duração, os cabos de aço sofrem influência de redução no diâmetro (permitido até 5%), redução no arame (permitido até 33%), corrosão (interna ou externa), arames rompidos (fadiga de flexão, abrasão, amassamento). No caso das cintas têxteis há influência de abrasão (se incorretamente arrastadas pelo piso), corte (maior que 10%) ou aquecimento / fricção (se usada sem proteção). No entanto, considerando o uso correto, as cintas têm um tempo “indeterminado” de utilização, sem necessidade de manutenção (ex.:lubrificação dos laços), sem risco de corrosão ou cuidados específicos no armazenamento.


Ícone seperador de posts da Tecnotextil - Cintas para Movimentação de Cargas

Uma ideia sobre “Cintas de poliéster ou cabos de aço?

  1. Sou estudante do curso Técnico em Segurança e Saúde do Trabalho e estou pesquisando sobre movimentação de material com uso de Cintas e Cabo de aço, para apresentar no seminário da escola, pesquisando pela internet encontrei o site desta empresa, o qual me ajudou muito e com detalhes para explanar no dia. Obrigado a todos da empresa pela colaboração, se tiver mais informações sobre o assunto agradeço muito se me enviarem para meu e-mail.

    Att,

    Hélio Moraes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *