Cuidados na amarração de cargas: acidentes em Abril e Maio de 2017

Continuando com os alertas a respeito de amarração de carga, separamos os acidentes ocorridos nos últimos dois meses, para aqui analisarmos.

Mas antes vamos sempre lembrar os conceitos:

Para que serve a amarração de cargas?

Primeiramente é preciso ter claro o objetivo da amarração ou fixação das cargas no veículo de transporte. De maneira simples e direta, clara e objetiva: a amarração serve para evitar que a carga deslize ou tombe!

É preciso ter em mente que se a carga na carroceria estiver solta, vai deslizar: lateralmente, para frente ou para trás, conforme as forças de deslocamento durante o transporte.

Ilustração dos coeficientes de aceleração: 80% na freada brusca; 50% nas curvas e arrancada.

Ilustração dos coeficientes de aceleração: 80% na freada brusca; 50% nas curvas e arrancada.

As cargas sofrerão as forças de deslocamento no mesmo momento, independente da velocidade do veículo ou peso da carga! Se duas cargas de madeira estiverem soltas, pesando 100 kg ou 1000 kg, elas vão se deslocar ao mesmo tempo e na mesma direção.

Quando o veículo de transporte freia, a carga recebe o esforço que a faz deslocar para a frente. Também temos esforços laterais nas curvas e esforços “para trás” nas arrancadas.

É para isso que serve a amarração: para segurar a carga de tal maneira que, mesmo nas piores condições, ela se mantenha imóvel na carroceria do caminhão.

3 acidentes registrados em Abril de 2017

Em 07/04/2017, houve um tombamento onde ficou clara a falta de uma amarração adequada: “(…) quando a carga de chapas de compensados pendeu”.


Já nesta outra matéria de 08/04/2017, vemos que o acidente aparentemente não se originou  pela falta de amarração segura, mas as consequências deixam claro:

Foto: Fábio Guimas

Veja a matéria completa em:
http://avozdacidade.com/site/noticias/policia/57851/
(Foto: Fábio Guimas)

Como os tambores não estavam devidamente fixados, se espalharam pela pista, causando lentidão no trânsito e prejuízos como destaca a matéria: “Devido a esses fatores, os dois sentidos chegaram a ficar totalmente interditados, para limpeza da pista e retirada do caminhão”.


Em 11/04/2017, houve outro acidente parecido com o anterior: o veículo bateu na parede (não foi a carga que originou o acidente), porém “A carga de estrutura metálica que estava sendo transportava pelo caminhão ficou espalhada pela Anchieta”.

Veja a matéria completa em http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/caminhao-bate-em-mureta-e-derruba-carga-na-anchieta-em-cubatao.ghtml.


6 acidentes registrados em Maio de 2017

Em 09/05/2017, houve um acidente gravíssimo onde a carga se deslocou, atingindo diretamente o motorista, que faleceu no local.

Com base no conteúdo da matéria podemos deduzir que a amarração (se existente) não foi bem dimensionada: “Com o impacto da batida a carga de tubos PVC rolou por sobre a cabine…”.


Este outro acidente em 13/05/2017, também foi fatal:

Ao que aparenta, a real causa foi a falta do uso do cinto de segurança já que o motorista foi jogado para fora da cabine com o impacto; porém se a carga estivesse devidamente fixada na carroceria, talvez o pior poderia ter sido evitado: “O condutor foi (…) atingido por parte da carga”.


Em 15/05/2017, mais um acidente fatal por falta de amarração.

Podemos afirmar que a carga de madeira não estava efetivamente amarrada pois “foi arremessada para frente do veículo, esmagando a cabine do caminhão e deixando o motorista preso às ferragens”.


No dia seguinte, em 16/05/2017, houve outro acidente que deixa extremamente claro o que sempre apontamos (referente “para que serve a amarração”). Como a carga não estava amarrada ela acaba ocasionando o acidente:

“A carga desestabilizou e o caminhão tombou para a direita”, ou seja: se a carga estivesse devidamente fixada, provavelmente não ocorreria sequer o tombamento.


Já em 19/05/2017, houve outro acidente gerando ferimentos.

Como a carga se desprendeu, logo deduzimos que não estava devidamente amarrada: “Segundo informações, uma carga de madeira que estava em uma carreta se desprendeu e atingiu um veículo que vinha atrás”.


Por último, em 31/05/2017, houve outro acidente onde desta vez a carga estava com amarrações:

“Apesar do perigo do acidente, a carga não atingiu nenhum outro veículo e ninguém ficou ferido. O motorista não soube explicar como tudo aconteceu e garantiu que as cargas estavam devidamente amarradas.”.

Ora, “devidamente amarradas” não estavam, caso contrário não ocorreria o acidente! Por isso vale sempre consultar as normas técnicas: o correto dimensionamento dos conjuntos de amarração é um cálculo que deve ser elaborado criteriosamente e em conformidade com  a NBR 15883.

Conclusão: como evitar acidentes por falta de amarração?

O conhecimento técnico é vital: conheça as resoluções CONTRAN que tratam do assunto, em especial a 552/15 que trata da amarração de cargas em geral. E principalmente a norma NBR 15.883 (parte 1 que trata dos cálculos de amarração).

Verifique também nossa página de perguntas frequentes (FAQ), onde destacamos abaixo 4 perguntas sobre o tema:

Como fazer a correta amarração da carga?

Como saber quantas cintas são necessárias para amarrar a carga?

Por que as cintas Levtec duram mais?

Qual o tempo de vida útil das cintas?

Consulte nosso departamento comercial para treinamentos sobre amarração de cargas e conte sempre com a Tecnotextil para colaborar na elaboração de planos de movimentação e em caso de dúvidas, peça suporte na página de Contatos!


Ícone seperador de posts da Tecnotextil - Cintas para Movimentação de Cargas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *